Vídeos de crianças viram febre na Internet

Posted on 6th junho 2011 in Posts (2011)

por João Dalla e Laiana Cardoso

 

Enquanto do lado de fora da tela do computador as crianças estão cada vez mais assíduas no uso da internet, dentro, elas também estão chamando a atenção através de vídeos caseiros filmados e disponibilizados na rede, geralmente, por seus pais. Todos devem conhecer algum vídeo protagonizado por crianças em situações engraçadas como, por exemplo, o “Mataram a Formiguinha”.

 

Vídeos como este mostram que a rede tem como uma de suas características o efeito potencializador de seus conteúdos. Antigamente, as atitudes inusitadas de crianças, que acabam se tornando engraçadas, eram contadas verbalmente pelos familiares a terceiros. Hoje, com a expansão da Internet e das redes sociais – como Orkut, Facebook e YouTube – as peripécias infantis passaram a ser filmadas e veiculadas no ambiente virtual, ganhando grande repercussão entre os usuários.

Tendo o Youtube como palco principal, os vídeos postados acabam transformando as crianças em celebridades mirins como aconteceu com a menina Isabela, de 2 anos. O vídeo publicado pelo seu pai, em que a menina aparece indignada cobrando explicações sobre o fechamento de uma porta, ganhou inúmeros acessos.

 

 

Diante da repercussão do vídeo, os pais criaram perfis em redes sociais para Isabela, contando a história da garota, que perdeu os movimentos do braço direito durante uma lesão sofrida no parto. Com isso, além das visualizações, Isabela ganhou vários amigos virtuais e apoio para o tratamento.

Essas produções ganham tanta repercussão no ambiente virtual que acabam virando atração também em outras mídias, principalmente na televisão. Quadros são criados especialmente para divulgar vídeos da internet que fazem sucesso, permitindo que pessoas que não tem acesso a rede compartilhem também desse fenômeno. Além de mostrar os vídeos, os programas de televisão também trazem pessoas que ficaram conhecidas por meio deles para comentarem sobre o sucesso de suas produções.

A princípio, como podemos observar, a divulgação de vídeos com crianças na internet traz alguns pontos positivos como: novos amigos virtuais, alguns minutos de fama, entre outros. Todavia, os riscos trazidos por essa exposição são, muitas vezes, desconhecidos pelos pais.

Aqueles que publicam vídeos protagonizados por crianças devem ter em mente o que desejam ao tomar essa atitude, tendo em vista que estas estão expostas a todo o tipo de reação e comentários, tanto em âmbito virtual quanto físico.

O cotidiano dessas crianças também pode ser afetado, pois elas se tornam conhecidas, pelo menos durante o período de repercussão do vídeo, e acabam perdendo parte de sua privacidade. Além disso, após um vídeo de sucesso, os usuários acabam demandando mais produções e criando uma expectativa a cerca das novas performances.

Muitos podem pensar que essa superexposição causa transtornos psicológicos para as crianças, mas a psicóloga Luciana Ruffo, do Núcleo de Pesquisa da Psicologia em Informática (NPPI) da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo não se lembra “de ter atendido casos relacionados à exibição de meninos e meninas no YouTube”. Porém, ela ressalta que “a rede de computadores é pública. O mesmo cuidado que você tem com a criança na rua deve existir no mundo virtual”.

Por último, podemos citar como mais um exemplo de sucesso o vídeo do menino Natan. Em uma travessura típica de criança, o garoto ao invés de fazer o dever de casa, corta seu próprio cabelo e fica se xingando de burro. Quando sua irmã, que está filmando a cena, ameaça contar para a mãe, Natan tenta chantageá-la dizendo que vai ter um infarto do coração.

 

 

Essa é uma tendência que está cada vez mais chamando a atenção dos usuários, fazendo com que as pessoas adquiram os jargões ditos pelas crianças e os utilizem entre amigos e familiares. Sendo assim, as pessoas que postam esses vídeos devem ter consciência do efeito potencializador da internet e das conseqüências que essa exposição pode causar as crianças.

comments: 0 » tags: , ,

You must be logged in to post a comment.